Teatro: A verdade das ruas

O ator #homemplural Regis Farah contou para nós um pouco sobre seu personagem na peça de teatro em cartaz pelo Brasil “Os Homeopáticos”. Toda a preparação em volta do personagem e da peça como um todo é de arrepiar e merece destaque!

“Em março de 2015 entrei para a companhia de teatro Cia Aqueles Dois para fazer parte de um processo de criação coletiva da peça Os Homeopáticos, baseada na pesquisa científica unicista do homeopata Dr. Mayer Filho.

Resolvi então toda a gênese de meu personagem, Léo, um advogado que provoca um grave acidente tirando a vida de seu filho pequeno e sua mulher, se remoendo de culpa e não mais conseguindo suportar a dor da perda, se refugia nas ruas virando um mendigo convivendo apenas com seus demônios.

Foi um grande desafio dar vida a esse morador de rua, totalmente o oposto do que sou. As pessoas falavam que eu era “galã” e jamais passaria verdade. Rótulos que sempre nos colocam…

Para interpretar Léo, fui conhecer e conversar com diversos moradores de rua e ver mais de perto esse mundo de pessoas discriminadas e marginalizadas pela sociedade.  Descobri que várias dessas pessoas estão ali, na rua, por uma perda de algum ente muito querido, pela perda do dinheiro e posição social e não, como muitos julgam, por ser um vagabundo que não quer trabalhar.

Conversando com uma moradora de rua do bairro de Botafogo, Sofia, no meio de toda loucura, morando dentro de uma caixa de papelão com teto de saco de lixo preto, ela me conta casos. De repente começa xingar muito alguém imaginário que está ao seu lado e diz ela ser seu marido. Quando Ricky Teixeira, preparador de elenco da peça, diz a ela que além de ator eu era dentista, Sofia na hora coloca a mão cobrindo a boca para que eu não mais visse seus dentes. Ou seja, por trás de toda loucura ainda existe uma lucidez e dentro dela uma vaidade por não querer mostrar seus dentes “estragados”. Até hoje quando lembro disso me emociono!

Teatro ultrapassando o lugar comum

Meu intuito como ator e com esse personagem, Léo, é poder transformar um pouco que seja a cabeça do público para que veja com outros olhos para qualquer pessoa que não seja como elas. Somos todos seres humanos em busca de crescimento e aprendizado e, todos nós, de uma maneira ou outra, temos algo muito pesado carregando nos ombros. Por isso sempre trate com amor e dê ao menos um sorriso para quem cruzar pelo seu caminho todos os dias…assim como fazem os cães quando chegamos em casa!”

A peça de teatro “Os Homeopáticos” respira uma atmosfera minimalista estimulando o imaginário do espectador, que passeia pelas referências básicas da narrativa, entre um consultório médico e visitas às camadas da consciência, descobrindo outros mundos. Eles participaram do festival de Curitiba 2016 fazendo sucesso e trazendo muita emoção à plateia. No mês de Julho eles estarão novamente em cartaz em algumas cidades do estado do Rio de Janeiro. Agosto filmarão um projeto de média metragem que será piloto de uma possível série. Ninguém segura esse elenco!

Posts relacionados

Comentários (02)

  1. Realmente um trabalho incrível. Ele fica irreconhecível no papel de Léo. Levando a platéia ao choro e muitas vezes ao riso compulsivo. PARABÉNS!!!

  2. Lindo texto! Vc tem uma sensibilidade ímpar, Regis. Como pessoa e como profissional. O Léo é um personagem riquíssimo e nos leva a muitos questionamentos.

Poste um novo comentário